Rua Treze de Maio, 22-50, Bauru-SP   (14) 3234-7745   contato@visaohospital.com.br
Blog
Maio 04

Maio verde: mês de prevenção e combate ao glaucoma

O glaucoma é o problema de visão que mais causa cegueira irreversível em todo o mundo. Só no Brasil, estima-se que cerca de 1 milhão de pessoas tenham a doença, segundo a Sociedade Brasileira de Glaucoma.

E para o maio verde, mês de prevenção e combate ao glaucoma, preparamos esse conteúdo para que você possa entender o que esse problema de visão pode causar na vida de uma pessoa.

Confira abaixo o que é o glaucoma, quais são as principais causas e sintomas, como são feitos os diagnósticos e quais tipos de tratamentos para essa patologia. Desejamos uma boa leitura!

Maio verde: o que é glaucoma?

O glaucoma é caracterizado por alterações anatômicas na região do ângulo da câmara anterior que impedem a transmissão dos estímulos para o cérebro, ocasionando lesões permanentes nas fibras do nervo óptico devido a pressão intraocular.

Os tipos de glaucoma e suas características são:

  1. Glaucoma de ângulo aberto (simples ou primário): o mais comum da doença. É o tipo crônico, não tem cura, mas se tratado continuamente previne sintomas e evita a perda total da visão. Tende a ser hereditário e se desenvolve progressivamente impedindo que o líquido escoe do interior do olho para fora, provocando lentamente a pressão ocular e gradual perda da visão, mais provável a ser assintomático.
  2. Glaucoma de ângulo fechado (agudo): é quando ocorre o repentino aumento de pressão, causando abrupto bloqueio da saída de humor aquoso, sendo dessa maneira mais doloroso e perigoso. Muitas vezes é necessário fazer procedimento cirúrgico emergencial complexo para liberar o canal e a pressão intraocular.
  3. Glaucoma secundário: esse tipo ocorre por interferências externas, ou seja, em decorrência de enfermidades como diabetes, uveítes e catarata, por exemplo. Mas também em casos de traumas e uso de alguns medicamentos, como os a base de corticoides. Tais fatores podem interferir no escoamento do humor vítreo, causando assim a pressão ocular.
  4. Glaucoma congênito: considerado o tipo mais raro. É quando a criança herda o problema da mãe durante a gravidez e assim nasce com a doença. Pode ser identificada com o teste do olhinho ou por pequenas alterações. Assim que descoberto deve ser tratado imediatamente e se necessária é realizada a cirurgia.

Quais as causas e fatores de risco?

Ainda não se sabe exatamente o que provoca o glaucoma, mas comumente a pressão ocular ocorre devido ao mau funcionamento ou bloqueio do canal de drenagem do humor aquoso, líquido produzido continuamente. Logo provoca o aumento do volume na parte interna, pressão e, por fim, a perda do campo de visão.

Os especialistas alertam que alguns fatores podem favorecer o desenvolvimento da doença no decorrer dos anos. Como por exemplo:

  • pessoas com mais de 40 anos ou idade mais avançada;
  • indivíduos com histórico de glaucoma na família;
  • problemas de visão: alto grau de miopia, tumores intraoculares, traumas, e frequente descolamento de retina ou inflamações;
  • condições médicas: diabetes, problemas cardíacos, hipertensão e hipertireoidismo;
  • uso prolongado de medicamentos com corticoide;
  • e pessoas de origem africana ou asiática.

Vale ressaltar que com o empenho dos profissionais e conforme os estudos sobre o glaucoma avançam, as relações com a doença e novas descobertas podem auxiliar ainda mais na prevenção, diagnóstico e tratamento.

Quais os sintomas?

A maioria não apresenta sintomas, mas com o passar dos anos e se não tratado devidamente, a pessoa com glaucoma tende a ter a visão periférica prejudicada, ou seja, não enxerga as laterais, vendo somente o que está a sua frente. Em casos mais avançados a visão central também é afetada e pode evoluir para a cegueira.

Os sintomas também costumam variar conforme os tipos da patologia, como o tipo agudo (glaucoma de ângulo fechado) que causa:

  • perda da visão lateral intermitente;
  • visão embaçada;
  • olhos vermelhos;
  • dor súbita;
  • aparência de inchado;
  • e podendo até mesmo provocar náuseas e vômitos.

No caso das crianças com alguns meses de vida, o tipo congênito tende a aumentar a nebulosidade na parte frontal, causa olhos vermelhos, aumenta a lacrimação, fotossensibilidade e a impressão de um olho maior que o outro.

Ao notar tais sintomas listados acima ou na mínima suspeita da doença, procure o seu médico de confiança.

Como é feito o diagnóstico?

O glaucoma pode ser detectado com a avaliação completa e cuidadosa do médico por meio da observação dos olhos, análise do histórico médico e familiar do paciente, listagem de sintomas e da complementação de exames oftalmológicos específicos.

Somente a medição da pressão ocular não é suficiente para o diagnóstico preciso, já que a maior parte dos pacientes são assintomáticos.

Desta forma, o especialista pode solicitar imagens e exames do nervo óptico, campo visual, espessura da córnea, fundo do olho, canais de circulação do ângulo e o que mais achar necessário.

Glaucoma tem tratamento?

Embora o glaucoma não possa ser totalmente curado há tratamentos para controlar a pressão ocular ou aumentar a drenagem do líquido. O resultado dependerá do dano ao nervo óptico e tipo de glaucoma que o paciente tem.

Para isso, os especialistas podem recorrer ao tratamento mais comum, o uso de colírios e pílulas. Para quem está em tratamento recomendamos fazer uma tabela com horários de medicação e o remédio a ser administrado, deixando os frascos em local visível e separá-los com fitas ou adesivos coloridos para facilitar a aplicação.

Outro tratamento comum e recomendado pelos especialistas é a cirurgia de glaucoma para evitar a perda total da visão. O procedimento chamado de trabeculectomia diminui a pressão ocular e normalmente não oferece riscos ao paciente no pós-operatório.

Os tratamentos não recuperam a visão perdida, mas impedem a progressão acelerada da condição e melhora consideravelmente a os sintomas mais fortes como dores de cabeça e enjoos causados pelo problema de visão.

Como prevenir o glaucoma no maio verde?

Ainda não há métodos eficazes comprovados cientificamente para prevenir o glaucoma. Mas a melhor prevenção da perda da visão ocasionada pelo glaucoma é realizar consultas regulares com o seu oftalmologista para a detecção precoce, evitando a progressão da patologia e de complicações mais graves.

Os especialistas também recomendam:

  1. Fazer exercícios apropriados com segurança e devida proteção para os olhos, afim de prevenir acidentes e traumas.
  2. Conhecer o seu histórico familiar para saber quais são as probabilidades do desenvolvimento da doença.
  3. E ter cautela no uso de medicamentos, inclusive colírios. Faça uso apenas dos recomendados e prescritos pelo seu oftalmologista.

Maio Verde: mês do combate e prevenção ao glaucoma

Por ser na maioria das vezes assintomático, os pacientes notam o desenvolvimento do glaucoma no estágio avançado, quando cerca de 40% a 50% da visão está comprometida.

Mais do que isso, os danos ao nervo óptico causado pela patologia são irreversíveis, ao contrário da primeira causa de cegueira no mundo, a catarata que após cirurgia a visão é recuperada.

Por isso, a campanha nacional Maio Verde é uma ação que envolve profissionais e organizações de saúde para combater e prevenir o glaucoma. São realizadas também ações de conscientização para os riscos da doença e a importância do diagnóstico precoce e tratamento adequados.

Caso suspeite de que você ou algum familiar tenha glaucoma, procure sempre um médico de confiança. Se faz muito tempo que você não se consulta com um especialista em oftalmologia, vale uma visita para um check-up no maio verde. Se quiser conversar com um de nossos médicos especialistas, entre em contato conosco.

About The Author

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *